Igreja paroquial de São Jorge

Na costa norte, a igreja da pequena freguesia de São Jorge é um dos melhores exemplos do estilo barroco na Madeira.

 
Avista-se a partir da estrada regional, quando se atravessa a costa da Madeira. A igreja paroquial de São Jorge, a principal da freguesia, é um ponto de referência da paisagem, mas também um dos melhores exemplos do estilo barroco em toda a ilha.
 
Seguindo a tendência geral do barroco português, o exterior do edifício esconde à partida a sua importância arquitetónica, havendo uma contenção. Mesmo assim a igreja apresenta uma fachada, com uma fenestração algo incomum na realidade madeirense. O portal é encimado por três janelas de avental e no tímpano surge uma outra, ladeada por pilastras que suportam uma cornija reta.
 
Mas é no interior da igreja que surge a principal beleza e o seu maior esplendor. Os conjuntos de talha dourada dos vários retábulos laterais e colaterais, são de uma exuberância decorativa, típica do barroco, culminando no riquíssimo retábulo da capela-mor, onde ainda se destacam as pinturas laterais, emolduradas também por talha dourada, bem como a pintura da abóboda, onde se fez uso do tromp-l’oeil, que é um técnica onde se cria uma ilusão ótica, que faz com que formas de duas dimensões aparentem possuir três dimensões.
 
Também o mobiliário em estilo rococó merece referência: Mesão e armários em til ou vinhático, com colunas torneadas nesse estilo, presentes na sacristia da Igreja, bem como do cruxifixo que aí se encontra.

É uma igreja de planta longitudinal, de nave única, com a capela-mor mais estreita e baixa, uma torre sineira e possui ainda, adossados, mais uns volumes que correspondem à residência paroquial e à sacristia.

De acordo com o dicionário enciclopédico aprenderamadeira.net, a igreja foi desenhada por Diogo Filipe Garcês, Mestre-de-obras reais, mas executada, construída, pelo mestre Pedro Fernandes Pimenta. As obras começaram em 1737 e a sagração a teve lugar no ano de 1761. Também, de acordo com a mesma fonte, foram recuperadas alguns elementos de uma construção anterior. Da inicial igreja levantada nos inícios do séc. XVI no calhau, os pináculos tardo-góticos e um painel de azulejos de tradição mourisca, dos finais do seculo XVI.