600 anos de Madeira

No século XV o Porto Santo e a Madeira foram as primeiras ilhas desabitadas a serem povoadas em todo o espaço Atlântico

 

 
A passagem dos 600 anos da descoberta das ilhas do Porto Santo e da Madeira, pelos navegadores, portugueses, vai circular pela Zona Euro, através da edição especial de uma moeda de dois euros, da autoria do consagrado artista plástico português Júlio Pomar. A partir deste ano vão circular unidades até ao limite de 1 milhão de euros.

Esta moeda é considerada um dos últimos trabalhos de Júlio Pomar, neorrealista e da terceira geração dos pintores modernistas portugueses, falecido a 22 de maio de 2018, aos 92 anos.

A iniciativa faz parte de um programa de atividades que se iniciou em 2018 e se prolonga até 2020. Este ano foco das comemorações é a ilha da Madeira, que em conjunto com o Porto Santo representam a primeira experiência de povoamento de territórios desabitados em todo o espaço Atlântico, que serviu até de modelo para a restante expansão portuguesa.

O programa envolve encomendas artísticas, congressos e palestras, espetáculos, festivais, concertos, exposições e a recuperação e conservação do património edificado, além de um conjunto de publicações.

Entre as manifestações mais marcantes destaca-se o concerto ‘600 anos, 600 músicos’ previsto para o Estádio do Marítimo, no Funchal, ou um espetáculo multimédia previsto para a baía de Machico. Mas o programa é vasto e envolve mais de três dezenas de iniciativas.

www.madeira600.pt