Um jantar nostálgico

O Royal Sunset Gourmet Dinner recria a atmosfera do restaurante Grill Gourmet Fleu de Lys do hotel Savoy.

O Fleur de Lys, em português Flor de Lis, é um restaurante que já não existe. Abrilhantava a oferta do hotel Savoy, um clássico da hotelaria madeirense que hoje faz também parte da memória. Desse tempo resta o herdeiro Royal Savoy e os muitos hóspedes que se mantêm fiéis à marca.

Esta história tem por isso a ver com o imaginário, ou melhor, com a nostalgia da atmosfera clássica e com a convicção de querer imortalizar os jantares com especialidades “do carrinho”, com destaque para os fambleados.

Assim nasceu o Royal Sunset Gourmet Dinner. Realiza-se no Royal Savoy, à sexta-feira, de duas em duas semanas, com um caráter intimista e uma lotação de 10 pessoas.

O Fleur de Lys pode já não existir, mas a atmosfera está lá, na ornamentação clássica, com elementos decorativos usados no emblemático restaurante, como os espelhos dourados em forma de sol, candelabros, mesas, cadeiras e até a louça com detalhes pintados à mão.

É uma nova vida para um conceito clássico, de comida gourmet, que faziam do Fleur de Lys um dos espaços de referência na Madeira. O novo palco do jantar é a sala Mezaninne, com vista para as piscinas e para o mar. O ambiente transporta para o passado, mas estes jantares são uma reinvenção e por isso uma aposta dos dias de hoje. Começam com um cocktail no piano bar e depois, na sala, o espectáculo acontece.

 

Há duas opções de ementa com seis pratos, escolhidos de entre os mais apreciados do Fleur de Lys: Gambas Tigre Famblés au sauce Dom Pérignon acompanhadas com Timbalo de Arroz Jasmim; o Pato Assado à l’Orange; ou o Crêpe Suzette Flambé continuam a liderar as preferências.

O carrinho percorre percorre todas as mesas, oferecendo um espetáculo flambeado a cada momento. Os clientes deixam-se sempre surpreender pela chama da aguardente os dos licores franceses Cointreau e Grand Marnier. Estes sabores especiais e específicos são a razão pela qual muitos clientes voltam ao Savoy. São sabores que carregam memórias, quase como estar em casa.

Para que tudo funcione é importante a presença exímia de Arlindo Spínola, diretor de F&B no Savoy, um dos criadores do jantar e uma das estrelas da noite. É ele quem finaliza a preparação dos pratos numa acrobacia gastronómica que o torna no protagonista da noite.

A vida deste profissional confunde-se com a do Savoy. São 50 anos no grupo, já distinguidos pelo Governo Regional da Madeira. É ele quem dá alma ao Royal Sunset Gourmet Dinner, tornando o ambiente e a atmosfera familiar. São também dele muitas das memórias do Fleur de Lys que permitiram fazer esta recriação.

O som do saxofone, em fundo, completa o cenário, em que as mesas não se isolam, ou existem separadas. Forma-se um conjunto, em que um estranho ao princípio da noite se torna amigo quando o jantar termina.

À mesa nao podia faltar o Vinho Madeira, de preferência seco, para contrariar as notas citrinas e adoçicadas do já emblemático crêpe suzette.