Um sabor fora do comum

Dois anos após as primeiras provas, a Fábrica do Ribeiro Sêco apresenta os chocolates com mel-de-cana.

chocolate2
chocolatetrufa1
chocolate2
chocolatetrufa1

A Fábrica do Ribeiro Seco teve a ideia de juntar duas deliciosas iguarias numa só: o chocolate e o mel-de-cana. A ideia deste projecto surgiu há dois anos com João Melim a propor a um amigo chocolateiro, “um rapaz jovem cheio de vontade” o desafio “ de criar uns bombons com mel-de-cana.”

Nesta fase de lançamento desta nova gama de produtos, a aposta vai apenas para os bombons de mel-de-cana e para as trufas de bolo de mel-de-cana. Há ainda a possibilidade de criar tabletes de ambos os sabores mas “primeiro temos que ver a opinião do consumidor”.

João Melim confessa que “houve muitas provas” e que depositou a sua confiança no chocolateiro que “percebendo mais do assunto do que nós, soube aperfeiçoar e ir ao encontro” do que era pretendido.

O momento chave do projecto foi o evento da Rota das Estrelas em 2014 quando vários chefes experimentaram o produto pela primeira vez, relembra João Melim: “ficaram maravilhados com a trufa de bolo de mel-de-cana”. Após essa prova e depois de algumas críticas, o responsável pela Fábrica do Ribeiro Seco afirma que o chocolate “melhorou e de que maneira”.

Agora com o produto final já desenvolvido, o maior desafio é conquistar primeiro o mercado regional e encontrar locais para venda. Para já, há “uma promessa de uma cadeia comercial que nos aceitou logo de braços abertos”, o que vai permitir que os chocolates produzidos pela Fábrica do Ribeiro Seco estejam à venda “em todas as lojas dessa cadeia comercial”. A época de Natal foi escolhida de forma propositada para o lançamento destes chocolates de sabor invulgar, devido à quantidade de doçaria consumidas nesta época festiva.

João Melim acredita que “um verdadeiro chocolate é aquele que se come um pouco e apetece comer mais” e acredita que os bombons de mel-de-cana e as trufas de bolo de mel-de-cana, reúnem essa característica, com “um sabor diferente” que classifica “fora do comum”.

O passo seguinte será o mercado externo, pois João Melim espera ter estes novos produtos em mercados fora da região.