Um até já

Termina mais uma edição do Funchal Jazz Festival, e a nota para 2017 é bem alta.

O último dia do Funchal Jazz Festival levou a palco Bill Frisell Trio, com a colaboração de Tony Scherr e Kenny Wollesen e o Charles Lloyd Quartet com os convidados especiais Gerald Clayton, Reuben Rogers e Eric Harland. A selecção musical voltou a proporcionar uma noite bem composta no Parque de Santa Catarina, onde mais uma vez fez-se e sentiu-se muito jazz.

O guitarrista Bill Frisel destacou-se pela sua singularidade encorpada e enriqueceu o festival com uma emoção muito própria, um jazz que se serve de diferentes cenários e sonoridades. Um músico completo e um guitarrista exclusivo, que não teve medo de explorar as emoções do público madeirense. Tony Scherr e Kenny Wollesen acompanharam o guitarrista, como que numa conversações com muita personalidade artística, entrando em completa simbiose, embora com alguns desencontros normais no género músical.

Na segunda parte da noite Charles Lloyd subiu a palco, e quanto a isto não há dúvidas: a sua música saboreia-se como que um bom vinho, e a idade é um mero indicativo de experiencia e vida, pois a energia não esteve em falta. Sem pausas entre os temas, fez questão de referir que não as faz pois sente-se quase que "alcoolizado" pela própria música. O saxofone brilhou em mais uma noite do festival e o público rendeu-se, como já era de esperar.

Assim encerra mais uma edição do festival dedicado ao jazz, aumentando as expetativas para um futuro cartaz. A qualidade a que nos habitua, essa nunca está em falta.